Comeu demais? Culpe seus neurônios

Por Juliana Vines

Da próxima vez que você não resistir à tentação de devorar um hambúrguer, pode culpar seus neurônios. De acordo com um estudo publicado nesta semana na revista “Nature”, um grupo de neurônios chamados de AGRP (sigla em inglês para peptídeo relacionado ao gene agouti) é responsável por fazer as tentações parecerem ainda mais irresistíveis se estamos de dieta.

Funciona assim: quando os níveis de energia do nosso organismo caem, esses neurônios são ativados, aumentando o apetite. Até aí tudo bem. O problema é que quando estamos de dieta ingerimos menos calorias voluntariamente, e o cérebro não entende o porquê. Para tentar recuperar a energia, ativa os neurônios com mais força, fazendo com que seja mais difícil suportar a fome.

Para os pesquisadores, do Instituto Médico Howard Hughes, nos Estados Unidos, a descoberta faz todo sentido do ponto de vista evolutivo, já que nossos ancestrais tinham que lutar para conseguir comida. “Suspeitamos que esses neurônios sejam um sistema motivacional que força o animal a satisfazer suas necessidades fisiológicas”, disse Scott Sternson, um dos pesquisadores, ao site de divulgação científica “EurekAlert!”.

Em um mundo com comida em abundância como o nosso, o sistema motivacional do cérebro pode estar nos motivando demais…

RATOS FAMINTOS

O trabalho foi feito em ratos. Os pesquisadores monitoraram a atividade cerebral dos animais quando eles estavam com fome e procuravam comida. Se os ratos avistavam o alimento, a atividade dos neurônios caía, mas voltava a aumentar se eles não comiam rapidamente.

Os cientistas também associaram a atividade das células com sensações ruins e até dor física. Para isso, ofereceram gelatina de sabores diferentes aos ratos enquanto “ligavam” ou “desligavam” o grupo de neurônios. Os animais passaram a evitar os sabores de gelatina oferecidos quando os neurônios eram “ligados”.

Com isso os pesquisadores queriam demonstrar que a fome produz sensações negativas e comer é uma forma de se livrar do incômodo.

A solução então não seria “anular” de vez esses neurônios? Não, porque essas células também ajudam a controlar o metabolismo. Mas os pesquisadores acham possível no futuro encontrar um jeito de manipular os neurônios de forma segura e assim fazer com que fique mais fácil resistir a uma vitrine de padaria. Não custa sonhar.